liberdade, ano II

liliabeer_libertystatue_sandpoint.jpg
tin tin!
dois anos sem fumaça.
dois anos que tive a maior prova de que o que quero de verdade, eu consigo.
esse é o maior benefício de ter parado de fumar.
claro que tem muitos outros, mas eu sinceramente não sinto “na pele”.
claro que a auto-estima agracede. menos barganha e mais amor.
claro que quem chega perto também agradece pelo cheiro bom.
claro, tou bem feliz por mudar, ser e me sentir melhor.

brincando de vovô e vovó

isabella_23sept019.jpg paul_isabella_spa23sept.jpg
ô negócio bom é ter um bebê por perto. eu acho. e por isso mesmo me ofereci pra ficar com a isabella de vez em quando, quando a mãe dela (uma ex-colega de trabalho de paul) quisesse farrear um pouco.
ela é muito bacaninha demais. só tinha convivido com a gente algumas horas em dois dias separados por algumas semanas. pois chegou aqui na boa, não teve um pio de choro sequer. pra dormir é a coisa mais maravilhosa: toma uma mamadeira de leite nos braços, mas depois disso fica na cama sozinha com o quarto bem escuro. pronto. dormiu a noite toda e só acordou às 8 da manhã, sorrindo e pedindo “baba”, a mamadeira.
fomos caminhando (ela no carrinho) pro parque no centro da cidade. ela se esbaldou de andar, correr, cair, levantar. voltou molhada de suor e imunda da grama e da areia. daí veio a melhor parte: o banho no spa. adorou! e a mãe chegou. foi tudo tão bom e passou tão ligeiro que tou aqui com gosto de quero mais.

continuando II último capítulo: descendo as montanhas

stmarylake_glacierpark_480.jpg
a idéia inicial era dormir três noites no parque, mas errei nos cálculos de quilometragens e pra curtir o resto do parque decidmos descer as montanhas devagar, apreciando “de um tudo”, e chegar em couer d’alene à noite. acordamos cedo e tivemos um belo nascer de sol de presente.
sunrisehorses_manyglacierpark_800.jpg sunrisemountainhotel_manyglacierpark_800.jpg
clique na foto se quiser ampliar
saímos do hotel preparados pra muitas horas de estradas e com a certeza de que ainda veríamos muitas belas paisagens no caminho.
paul_fallstmary_240.jpg falls_stmary_240.jpg
glacier_couerdalene_480.jpg
paul_glacier_couerdalene_240.jpg lakeontheroad_glacier_couerdalene_240.jpg
nemesquilonemchipmunk_240.jpg lilia_glacier_couerdalene_240.jpg
tou sem adjetivos pra descrever de jeito diferente a beleza das paisagens. a gente dirigiu um tempão entre as montanhas e de repente abria um vale imenso; quando menos se esperava aparecia um rio beirando a estrada ou lago verde-azul. e assim os olhos foram devidamente alimentados, deixando o botão do contente ligado :-)
flatheadlake_indianreservationk_480.jpg
quando a fome atacou já tínhamos descido as montanhas. olhando no mapa vimos um imeeeeeenso lago (flathead), logo mais à frente e fomos procurar um restaurante na beira d’água pra matar a fome e continuar na apreciação da paisagem.
flathead_lakesiderestaurant_240.jpg flathead_lakesiderestaurant_bird.jpg
depois que saímos da cidade de lakeside onde almoçamos, foram muitos quilômetros atravessando uma reserva indígena com essa paisagem abaixo. e lá vem de novo meu encanto pelos fenos. não tinha os rolos, mas a terra era coberta com esse “capim” seco e com a luz do pôr do sol, ficava um dourado muito bonito.
flathead_indianreservationk_480.jpg
depois daqui tivemos que atravessar uma montanha pra chegar numa estrada highway e nessa hora pegamos uma tempestadezinha medonha. eu quase tive medo (como se fosse possível ter “quase medo”), porque era tanto do raio e a gente dirigindo bem em baixo deles rodeados de árvores por todos os lados. uia. mas eu me peguei com meus anjos da guarda e depois de ter que parar num bar cheio de bêbados, num lugarejo no meio do nada pra saber onde etávamos, conseguimos pegar o rumo certo e chegamos no hotel em couer d’alene depois das 10 da noite. cansa, mas eu gosto muito desse movimento todo, principalmente arrodeada de tanta beleza.
liliapaulcynbrandonrebecca.jpg
a parte que falta agora é o trecho que fizemos com a cyn, brandon e rebecca. a cyn fez um post tão legal relatando essa parte, que eu vou parar por aqui.
foram cinco dias desde que saímos de calgary até chegar em boise. dirigimos 910 milhas (quase 1500km) no grosso porque desviamos um bocado pra ver o “hells canyon”.
foi muito bom para mim. cheguei em casa com a alma banhada, bem lavadinha, cheirosa, vestida com roupa de domingo, com o satifeito cheio até o talo :-)

continuando… glacier national park

manyglacierhotel_redcars.jpg manyglacierhotel_viewfromswiftcurrentlake_240.jpg
nada melhor do que não saber exatamente o quanto vai caminhar. meu paul me mostrou as trilhas e as opções de caminhadas que poderíamos fazer. escolhemos fazer a trilha até uma cachoeira (2.5km subindo, 5km ida/volta), e, se dali quiséssemos, iríamos até o iceberg lake. e lá fomos nós, faceiros. a primeira parte é a mais difícil, e como disse o menino na recepção do hotel, “é difícil só até chegar o topo da montanha” hehehe. é um trecho pequeno mas bem inclinado e cheio de pedra. e ele tinha razão, depois dalí a coisa melhorou bastante. mas claro, a trilha continua sendo subindo. parêntese: logo na entrada da trilha tem um aviso: “cuidado com os ursos. você está entrando na casa deles”. uia. até outro dia, quando caminhava assim no meio do mato, só tinha medo de cobra. mas depois que vi umas reportagens sobre ataques mortais de ursos, comecei a levar esses bichinhos a sério.
o aviso diz pra gente caminhar fazendo bastante barulho, batendo palma e falando alto, pois assim ele não se assusta com a gente e vai pra longe. normalmente as pessoa penduram uns sinos ou guizos grandes nas mochilas, mas o aviso diz que não é suficiente. então euzinha aqui, que não tinha sino nem guizo, passei o tempo todo batendo palma e gritando pro paul: i feel gooooooooooooood”. fecha parêntese.
lilia_falls_iceberglake_glacierpark240.jpg trail_hiking_iceberglake_glacierpark_240.jpg
trail_hiking_iceberglake_glacierpark_480.jpg
chegando na cachoeira, nem pensamos, seguimos no rumo do lago. a grande novidade pra mim foi conhecer esses bichinhos lindinhos parentes do esquilo. o nome em ingles é chipmunk, não faço ideia como chama em português.
chipmunk_comendonapedra_480.jpg
moose_hiking_iceberglake_glacierpark_240.jpg small_iceberglake_glacierpark_240.jpg
essa bunda é d’um alce preto que vimos um pouco antes de chegar no lago-pequeno. quando eu já ia dizer que o lago era muito pouco pro tanto que eu tinha andando, passou um caminhante dizendo que o lago-mesmo era logo mais na frente. uffa.
iceberglake_glacierpark_480.jpg
o tal iceberg lago é bem bonito mesmo. a gente chega cheio de endorfina liberada pelo esforço, olha pra aquela imagem e fica meio embriagado com tanta beleza. é alimento muito para os olhos e deixa a alma com o satisfeito cheio. as fotos não conseguem mostrar a grandeza das montanhas, nem a profundidade. no caminho a gente passa por um trecho onde tem um imenso vale cheio de pinheiros. é lindo demais, mas só mesmo uma lente grande angular pra mostrar a grandiosidade do lugar. eu até fiz um vídeozinho, mas sinceramente ficou bem fuleiro porque não mostrei o que tinha que mostrar. tsc. tsc. tsc. [eu achei esse vídeo interessante feito em 1966 que dá uma ideia melhor.]
iceberglake_close_glacierpark240.jpg folhasrocha_iceberglake_glacierpark_240.jpg
chipmunk_eatingapple_iceberglake_glacierpark_240.jpg paul_trailhiking_iceberglake_glacierpark_240.jpg
sentamos na beira do lago pra descansar e comer um pouco. nessa hora deu pra sentir um finiquito nos pés e a vontade era tirar aquela bota e mergulhar os pés na água fria do lago. mas não ia dar certo não por isso fui só molhar as mãos mesmo. nisso deixei metade da minha maçã na pedra e quando voltei era o canto mais limpo: um chipmunk tinha pego. mas o engraçado é que a maça era grande demais pro pequeno bicho e a comédia foi grande. todos que estavam na beira do lago tiveram diversão garantida. fiz outra tentativa lilia-filmadora e pelo visto ia morrer de fome se fosse viver disso :-))
fallsclosetolake_iceberglake_glacierpark240.jpg wildflowers_iceberglake_glacierpark_240.jpg
yeallowflowergrowingstone_falls_glacierpark_240.jpg trilha_hiking_iceberglake_glacierpark240.jpg
dizer que pra “descer todo santo ajuda” é bacana, mas os músculos das coxas fica se perguntando onde o santo foi parar. no final da brincadeira tínhamos caminhado 16km, montanha-acima-e-abaixo. pra quem faz hike com frequência deve ser pinto, mas pra nós que só fazemos caminhadinhas planas de manhã cedo, foi bem cansativo. o que ajudou bastante foi o exercício mental que o paul inventou no final da descida: cervejaaaaaaaaaaaaaaaa! é muito bom fazer essas “aventuras” no meio da natureza. mas eu confesso que se eu soubesse antes que andaria esse tanto eu desistiria. tem até um ditado que diz mais ou menos isso: “você não imagina o que pode fazer quando não sabe que não é capaz” :-) foi muito bom para mim.
ainda falta um bocadinho mas fica pra mais tarde.

contando mostrando (quase) de um tudo da viagem

hay_bragg_cagary_480.jpg
a primeira parte da viagem foi visita familiar.
ficamos quatro dias em calgary, cidade na parte oeste, do canadá onde mora uma irmã e o pai do paul.
como eu já conhecia a cidade e choveu nos dois primeiros dias, ficamos mais quietos em casa curtindo a família.
liliapaul_onthewaytowatertom_480.jpg
na quarta-feira bem cedinho pegamos estrada no rumo do parque no lado canadense (waterton).
a estrada estava super calma, a viagem foi tranquila com paisagem bem bonita,
com as montanhas ao fundo.
haymountainsback1_onthewaytowatertom_resized_480.jpg
[eu acho que devo ter sido fazendeira de feno em outra vida qualquer,
porque acho lindo ver essa paisagem com rolos de feno na estrada.]
em waterton village caminhamos um pouco, fizemos um belo e longo passeio de barco pelo lago
e depois fomos tomar uma cerveja no famoso hotel “prince of wales“.
beachmontanaside_boatride_waterton480.jpg
paulwarrior_waterton_240.jpgboatride_montanaside2_waterton_240.jpg
lilia_princeofwaleshotelview_240.jpgdeer_waterton_240.jpg viewfromprincehotel_boatride_waterton800.jpg
o famoso hotel (esse prediozinho na foto abaixo e na foto do post anterior) foi construído no ínico do século
e aqui prá nós tá precisando de uma boa manutenção. mas a localização é bonita demais.
essa foto acima foi tirada da frente dele.
pincewaleshotelviewfromboat_waterton_480.jpg
p.s. essas fotos todas foram tiradas com o “sol a pino” (acabei de aprender/lembrar que só tem “sol a pino” nos lugares perto da linha do equador. lugares ao norte e ao sul não sabem o que é isso hehehe).
o fato é que o sol tava alto e como sou só uma clicadora, as fotos ficaram todas claras demais. mas faz mal não, fica tudo-azul.
terceira etapa da viagem: glacier national park
depois da merecida cerveja, pegamos o rumo do glacier national park que fica no lado americano, no estado de montana.
eu estava curiosa pra atravessar a fronteira assim no “meio do mato”, e foi tão simples que não teve nem graça.
a foto da direita é a marcação da fronteira montanha acima e foi tirada no passeio de barco.
essa outra é na estrada antes de parar pra mostrar documentos.
marcafronteira_boatride_240.jpg marcofronteiracanada_usa_glacierpark_240.jpg
entrando no parque
reservoire_manyglacierpark_480.jpg
o hotel: many glacier hotel é bem antigo, acho que foi construído no início do século, mas é mais conservado que o outro no canadá. o que eu não sabia é que iria ficar três dias sem internet, sem sinal pro telefone celular e nem tv. essa última eu não faço conta, as outras coisas também não fizeram falta e foi bom saber que nos estados unidos ainda é possível se desligar do mundo no meio do mato :-).
sunrise_manyglacierhotel_480.jpg
a primeira coisa que fizemos foi uma caminhada ao redor do lago que fica na frente do hotel.
já era tarde, mas naquele lado do planeta (com o horário diferente), ainda deu tempo de caminhar os 5km da trilha antes de escurecer.
o melhor foi a colheita dessa foto abaixo.
swiftcurrentlake_caiaque_800.jpg
cansei. mais tarde eu volto porque ainda tem um bocado de coisa pra mostrar. me aguardem!