confissões

noname.jpeg
achei ali numa gaveta cheia de escritos antigos:
“eu olho pr’aquela lilia-comigo-ninguém-pode e fico meio perplexa
do tanto que eu pensei que era tudo verdade.
e era, mas hoje a verdade muda de nome.
ando vendo tantas certezas se desmanchando feito papelão molhado
lindo e doloroso
tanto dói como alegra
tanto arde como alivia
porque medo desvendado é um bocado de caminho andado
no rumo do sossego.
doida e corajosa de largar o que sustentava…
claro que parece capenga, feels like capenga
mas a verdade (atual) é que é muito mais firme
porque não tá se agarrando em nada
(aquela monja Pema Chodron tem uma imagem forte que é “se agarrar na água”)
e tome medo aflorando
medos que sempre moraram lá dentro…
atrás das sombras que não deixava aparecer
só inventando personagens destemidos e confiantes,
que andavam pra cima e pra baixo com as muletas “invisíveis”,
se achando invencível… e era.
mas essa parte do filme acabou
a tal da meia-idade chegou e o sentido dela fica cada da mais claro
crise – outro filme
sossego não é sol brilhando todo dia
é a serenidade de apreciar a tempestade”
p.s. tirei essa foto e quando fui olhar tinham duas sombras, uia!