imigracao de novo, hoje com

imigracao de novo, hoje com hora maracada: pegar a autorizacao de trabalho!!!
quando voltar falo sobre isso 🙂
uma boa quinta pra nos todos.
update “tijolo”

pois sim. la fui eu pra tal da imigracao de novo. hoje era com hora marcada. a gente recebe um papel em casa dizendo quando ir la. cheguei as 9 e pouco e ja me apavorei com o tanto de gente que vi na sala. mas nesta etapa era so para fazer o “check in”, ou seja, deixar no guiche o papel recebido pelo correio. fui encaminhada para a sala ao lado. cheia.
e eu com minha micro-paciencia ja torci o nariz. esperei uns 10 min e fui chamada junto com outras dez pessoas. entra-se em outra sala. la entregam um pedaco de papel com meu nome, data de nascimento e pedem para confirmar as informacoes. depois disso, assina-se este papel, meleca o dedo indicador direito na tinta preta e o pressiona no mesmo papel.
em seguida senta-se numa cadeira onde em frente esta uma camera polaroide.
na parede ao lado tem um mouse-pad, com uma foto de um leao, para que se olhe naquela direcao e assim a foto sai de perfil, igualzinha a que se tira quando se vai preso hahahahaha.
pronto. espera-se mais uns 10 minutos e a bendita carteira eh entregue.
mas e agora? eu mesminha quero mais eh vadiar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
nunca pensei que fosse gostar tanto desta condicao atual de vadia-rainha-do-lar. foi a profissao em que mais me realizei. juro por tudo quanto eh sagrado nesse mundo de meu-deus. eh bom demais.
ja trabalhei feito uma condenada na minha vida, poderia me aponsentar sem nenhum sentimento de culpa.
comecei a trabalhar assim de verdade, todo santo dia, aos 14 anos. nao precisava, meu pai tinha uma condicao financeira muito boa nesta epoca. trabalhava porque aprendi muito cedo que “se nao comesse do pirao, nao apanhava do cinturao”.
tive muita sorte, aos 19 anos estava trabalhando no que mais gostava na vida: radio. era discotecaria, promotora de eventos.
aos 23 gerenciava o departamento de promocoes do sistema verdes mares de comunicacao (tv afiliada da globo, radio fm, radio am e um jornal). foi uma epoca maravilhosa. ganhava bem e me divirtia mais ainda. produzi muitos grandes shows, ao ar livre na praia ou em grandes ginasios (jorge ben, eduardo dusek, ney matogrosso, gal costa, gilberto gil, rita lee, alceu valenca, moraes moreira, elba ramalho, caetano veloso, e muitos outros).
o bruno nasceu e eu nao quis mais saber dessa vida louca. larguei tudo e fui morar no meio do mato, naturete toda.(quando voce sai da loucura as pessoas dizem que voce eh louca hahahaah).
nao concebia a ideia de largar meu filho com uma baba pra ir trabalhar. a fase de bebe eh unica, passa rapido demais e esta oportunidade eu nao quis perder.
e nao perdi. fiquei bolando, feito cigano. morei na serra, na praia e na franca. ai o bruno ja tinha 2 anos. voltei aos poucos a loucura de antes.
aos 28/29 anos podia ter me tornado uma executiva bem sucedida. voltei a trabalhar no mesmo sistema de comunicacao, mas desta vez era na produtora de video. era coordenadora e veio o convite para ser gerente o qual nao aceitei. definitivamente nao vim pra esta vida a trabalho. vim a passeio. gerenciar aquela produtora significava abrir mao de muita coisa valorosa pra mim, como por exemplo “ter tempo”.
depois disso perambulei por muitos empregos e trabalhos avulsos, sempre na area de comunicacao: agencias de propaganda, campanhas politicas, radio-noticia, producao disso e daquilo outro. cansei.
por ultimo, antes de me tornar vadia-rainha-do-lar, estava trabalhando calmamente numa pequena empresa se webdesign.
ai esta um puco do meu curriculo e o documento que me da direito a trabalhar no “pais das maravilhas”.
mas vamos combinar aqui: pelo meu amor de deus, nao me arranjem um trabalho agora.
ano que vem, se eu enlouquecer novamente, e tiver um ataque de vontade de trabalhar, voces me ajudam ta?
por enquanto ficarei assim:

fregueses


agora com a janela permanentemente fechada quando nao estou na sala, colocamos uma cestinha com as sementes na escada de incendio. ontem foi hilario. eles vieram e comeram tudo que tinha na cestinha. coloquei mais e dai fiquei pronta com a maquina pra flagra-los. comeram tudo novamente e loucos por mais comidinha facil, vinham pro vidro da janela. e eu me divertindo com eles. consiguiram mudar meu humor. legal! as meninas (cintia, adriana, luciana e monica) com seus pets e eu com meus esquilos. e enquanto eu fazia o blog a brincadeira voltou… hoje so apareceu um freques mas comeu tudo e ficou na janela procurando por mais hahahaha.

outro dia escrevi aqui


outro dia escrevi aqui sobre a serenidade que andava sentindo … e eu dizia assim: “…a ansiedade saiu pra da um passeio e nunca mais voltou. saudade nehuma tenho dela. que ela esqueca o caminho de volta. nao esta fazendo a menor falta. se ela voltar, vai ter que bater na porta e pedir licenca pra entrar. posso ate deixa-la entrar mas nao a convidarei pra sentar. havera de ser uma visita passageira. decidamente nao quero mais intimidade com ela…” pois olhe, essa “moca” eh super mal-educada. mesmo nao sendo bem-vinda, ela voltou, entrou sorrateiramente, e ta aqui instalada. ja disse pra ela, que nao a quero por perto, que ela va procurar outras paragens, mas oh bichinha “maluvida” e sem-vergonha. a gente enxota ela pra fora e ela volta sem a menor cerimonia e ainda fica olhando pra mim com um sorriso ironico. mas vou mostra-la que sou mais firme e determinada do que ela e ganharei mais esta batalha. afinal, quem manda “nesta casa” sou eu. xo!

edward hopper fiz duas


edward hopper
fiz duas viagens em veleiro, atravessando o atlantico. foi maravilhoso ter estas experiencias. tenho dito: resnaci no mar. a primeira viagem foi calma, tranquila, sem nenhum evento. ventos tranquilos fazia o barco navegar deliciosamente, orcando nas ondas. ja na segunda viagem experimentei a calmaria e a tormenta. e na pratica constatei que “navegar eh preciso, viver nao eh preciso”. (o verbo nesta celebre frase nao tem o significado de necessidade, e sim de exatidao.)
comparo as questoes da vida com um veleiro ao mar. sempre havera tormentas, sempre havera calmarias e no meio disso, o barco tambem navegara suavemente.

quando vem a tempestade, eh um tumulto generalizado: se nao baixamos as velas a tempo, elas rasgarao; o corpo ressente o balanco brusco. o barco sobe ondas imensas, e em seguida eh como uma queda. e caem todos os objetos. o calor eh intenso, todo o barco esta fechado, pois as ondas batem no casco e o cobrem quase que num mergulho… cozinhar e dormir nao eh quase impossivel. mas ela passa… os ventos fortes nao permanecem pra sempre, eles perdem a forca e ainda nao eh hora do descanso. o barco continua andando, nao podemos deixa-lo ao sabor do vento. eh hora de arrumar a casa. enquanto se reorganiza a bagunca deixada, temos que continuar no comando. as velas rasgadas, tem que ser costuradas. as que nao tem conserto, terao que ser repostas por outras novas. e assim o barco continua navegando… e eis que a calmaria chega. repouso. os primeiros momentos sao de alivio. mas, se demora assim, ela passa a incomodar. se nao tem vento, o mar vira um espelho e o barco nao anda, nao sai do lugar. o calor nessa hora eh tambem grande, nao ha brisa. outra vez sabemos que mais cedo mais tarde o vento chegara e impulsionara o barco novamente. e assim eh a vida, ne nao??? pois fiquemos atentos aos ventos, e sejamos bons comandantes de nossas vidas. um otimo domingo pra todos nos, com brisa deliciosa e suave.

ralouim, como disse a fal

ralouim, como disse a fal

foto de uma casa em ocean grove
ontem fiquei tao irada com a imigracao que esqueci do halloween. mal comparando, o halloween por essas bandas aqui, eh como o carnaval. a grande maioria se envolve, inventa fantasias e haja festa. tem um grande desfile em nyc, e ontem, sexta-feira, o clima legal, a cidade tava toda fantasiada. fui visitar uma amiga que mora em chelsea e queria ter ficado pra ver o desfile, mas nao deu. acordar as 4 da manha me deixou morta. entao ai estao algumas fotos do desfile do ano passado:

e essas foram as poucas que colhi ontem:

um otimo fim de semana pra todos nos!!!