23 comentários em “que o fim de”

  1. A emoção não pode morrer nunca, senão é a gente que morre. Ai dos frios e insensíveis, desses sim eu tenho pena. Bela reflexão para uma tarde fria e chuvosa. Beijocas e bom fim de semana também.

  2. Lília, há tempos estou para lhe escrever, desde o dia do seu próprio aniversário. Você é que pensa que ninguém lê o seu blog, eu sou sua leitora assídua, palavras doces, inteligentes, sensatas (ou não), vivas,experientes, engraçadas, latentes, enfim Lília…
    Queria deixar aqui o registro do orgulho que tenho de ter trabalhado e aprendido com vc, e me tornado próxima.Quero conversar mais,também estou longe de casa e o que vc escreve me é familiar, a saudade que tenho dos meus é impressionante, a ponto de me sugar forças e fazer querer desistir de tudo e voltar para Fortaleza, onde conheço tudo e todos, onde os amigos me beijam, me tocam, me dizem coisas verdadeiras, onde as pessoas não são superficiais,onde me sinto livre, onde tem a minha mãe e minha melhor amiga. Dói, não é fácil… e mais cruel ainda é perceber que não gosto daqui de jeito nenhum, não me enxergo nesse lugar, ando travada.
    Vivo um momento “off-line”, logo logo eu reestréio, ou saio de POA ou paro de me lamentar e fico de vez. Pronto, resolvido! Ah, se fosse fácil assim,né? São tantas coisas no caminho. Nem sei,mas acredito que tomarei a resolução certa, quando for chegada a hora.
    Bom, tudo isso para lhe desejar toda a saúde e felicidade do mundo, que vc esteja sempre pertinho de nós, nos ensinando e aprendendo também.
    A você , doce Lília , pessoa de beleza simples e alma sensível, felicidades sempre!!!!!
    beijos, Jana

  3. Querida, era bem assim que eu imaginava a neve derretendo, que legal. E as tulipas, minha nossa, tu ganhou do Paul
    de dia de que
    dois pontos de interrogacao aqui …
    Valeu, amei tudinho e guardei com muito carinho, beijos e que tua semana seja bem linda.

Os comentários estão fechados.