olha só a que ponto eu cheguei

bandeirabrasil.jpg
há tempos que o paul queria uma bandeira do brasil e a gente nunca lembrava de trazer. quando ele viu esse “porta bandeira” na grade da varanda ficou me azucrinando. e disse quando eu tava no aeroporto indo pra fortaleza: “não deixo voce entrar em casa se não trouxer minha bandeiRa”. muito bem mandada que eu sou (uia!) trouxe a dita cuja e enquanto ele não comprou o pau pra pendurar, não sossegou. e como disse meu irmão: cada um sossega com o que quer :-)
update: tava aqui mostrando os comentários pro “meu paul” e foi duro traduzir, com esse meu belo inglês, todas essas expressões e jogo de palavras. mas o melhor mesmo foi quando chegou o comentário da helô dizendo que ele é um barato: ele virou e disse: “eu sei o que é barato, é cheap”.

a vida online tá atrasada. é fato.
a caixa de e-mail grita por mim e aos poucos respondo.
não vejo a hora de botar as visitas em dia, sem pressa, porque já não mais corro, muito menos por prazer. me aguardem!!

@@@@@
hoje tem uma feira de usados no condomíno.
sabe menino pequeno quando vai passear no parque de diversões? pois é assim que a xepa-lilia fica numa feira de cacarecos. lá vou eu, brincar-de-vender o que ta sobrando dentro de casa. mais tarde eu volto com imagens.
bom fim de semana prá nós!
update:

condominiofleamarket.jpg
pra falar a verdade o flea market foi bem fuleiro. éramos poucos vendendo e poucos comprando, massssssssssssssssssssss, quando a gente quer, tudo vira diversão.
o apurado foi até legal: vendemos uma mesa de centro, algumas roupas e vários cd’s. claro que eu comprei umas coisinhas né? mas nem vale a pena mostrar: uma bolsa vermelha novinha com etiqueta, uma xícara de café metida a antiga, um copinho de licor e um banco[*] alto pro balcão da cozinha.
[*] psicólogas de plantão: alguém explica uma pessoa gostar bem muito de banco? ok que minha estatura-mediana num chega a um metro e meio, e nada melhor do que um banco pra alcançar as alturas.
sempre foi difícil armar uma rede sem a ajuda de um tamborete. mas eu tenho mesmo é paixão por bancos e em fortaleza eu tinha uma coleção deles. de todo tamanho e modelo. minha amiga clarisse foi quem herdou um bocado e eu morro de saudade!!. banco tem muita serventia: bota uma bandeja em cima e já virou uma mesa; bota do lado e vira um apoio pro cinzeiro ou pro copo; chegou mais gente, o banco é sempre melhor pra acomodar na mesa cheia. tá bom, expliquei minha neura.
mas o “problema” é que já faz mais de três anos que moro aqui e até agora só consegui comprar quatro bancos. porque eu, xepa-lilia, jamais pagarei 35/40 dólares por um simples banco de madeira. nammmmmmmm.
então voces já sabem, é muito fácil me agradar: é so comprar um banco na feira e mandar :-)
tá bom de papo furado por hoje né?

cheguei!

o rio de janeiro deve continuar lindo (risos). não vi quase nada porque minha vontade era de ver, rever, e reconhecer pessoas queridas. missão mais do que bem cumprida.
quanto mais encontro amigos virtuais, mais gosto dessa vida online. e não me venha com papo de que “as pessoas enganam”. a mim, pelo menos, não! até hoje, todas que re-conheci, não tive surpresas, só prazer e confirmação de como são bacanas, generosas, simpáticas, interessantes, inteligentes, do jeitinho que eu sentia através desta tela.
o encontro foi no sábado, na casa dela com essas meninas que conheci no ártemis (grupo de e-mails) ou através do blog . gargalhamos muito e foi bom demais. agradecida viu meninas!
parêntese: em breve farei um post falando dos “efeitos” desta viagem e da certeza de que nas próximas idas ao brasil, sempre haverá “escalas”. por isso amigos queridos, me aguardem!! fecha parêntese.
no domingo choveu o dia todo. mas o passeio até a estação de charitas (niterói) foi bem bonito apesar do céu-cinza.

charitas.jpgsunsetcharitas.jpg
não sei de quem é a foto, peguei pelo google, nesse blog.
pra quem mora no rio e quer fugir da muvuca é uma boa opção. é pena que não tem barca nos fins-de-semana porque seria uma delícia ir apra lá enchendo os olhos de belas paisagens.
por hoje é só. o astro rei brilha lá fora e eu vou ali namorar e volto já!

e assim se passaram 11 dias…

foto:gerardo barbosa.jpg
o relato é quase igual aos outros: emoções, carinhos, afetos, comilanças, bebedeiras. praia, calor muito, alguns pingos de chuvas.
nada nunca é igual, claro, e foi diferente. a começar pela chegada, escondida. poucos sabiam. resolvi fazer assim porque queria mesmo que fosse uma surpresa pro bruno, e, que fosse uma viagem ZEN: zen presentes, zen encomendas, zen muita programação antecipada. mas com tanta ansiedade, o zen ficou longe :-)
agora tou voltando pra casa, com uma parada de dois dias na cidade maravilhosa. faz muito tempo que não vou ao rio e me deu vontade de rever aquelas belas paisagens. me deu vontade de rever amigos e de encontrar outros que ainda não olhei nos olhos, mas que já fazem parte da minha vida.
e é isso. inté semana que vem!

@@@@@
lendo um longo texto, recortei esse pedaço que achei interessante:
“Assim, aos que atravessam crises, tenho muitos desejos. Desejo-lhes primeiro o discernimento, porque é preciso separar as crises reais das imaginárias e distinguir o “mudar” do “mudar para melhor”. Desejo-lhes a flexibilidade, pois deve-se aprender a curvar-se diante da inexorabilidade dos fatos mesmo quando confrontados com os argumentos mais sólidos. Desejo-lhes a ousadia, porque é preferível tentar e arriscar a inclinar-se frente ao receio e às adversidades. Desejo-lhes a criatividade, pois o mundo solicita que se faça diferente para que se possa evoluir. Mas, sobretudo, desejo-lhes a coragem, para dominar o medo, para realizar escolhas, para abdicar da estabilidade infeliz, para combater a hesitação, para negar o que não lhes convém e para exigir o que lhes é próprio, por direito divino. Você faz o que te dá medo e ganha coragem depois. Não antes. É assim que funciona. Já disse isso antes…
Mediante o uso destes atributos, empresas poderão cultivar o desafio de ingressar em novos mercados, casamentos de conveniência poderão permitir-se capitular, talentos artísticos enrustidos atrás de mesas de escritório poderão ser revelados.
Mediante o uso destes atributos, seus relacionamentos poderão ser mais verdadeiros, seu trabalho mais digno, sua compaixão mais autêntica, suas posses mais honestas e seu espírito mais elevado.
(Tom Coelho)

surpresa!!

liliabaloes.jpg
liliabrunoabraco.jpg
liliabrunomae.jpg

pois é, estou no brasil! a vida é bela!
conto os detalhes amanhã porque hoje parece que ainda é ontem :-)
UP DELEITE
pois é, resolvi fazer uma surpresa pro filhão. e consegui!! ainda não achei as palavras pra descrever as emoções. só sei que a ansiedade foi grande mas compensou: estamos todos felizes por aqui. num sei o que pode ser melhor do que ver um filho feliz. é TUDO nessa vida. estou grata e plena. mas ainda meio zonza :-))
o vadiando ficará em recesso até que eu tenha “tempo” pra sentar na frente desta tela de novo. as visitas e os e-mails ficarão atrasados, mas voces entendem, né?
que minha alegria respingue em voces!!

mães & filhos

maesfilhos.jpg
minha mãe,
já usei tudo quanto foi adjetivo com voce. todos verdadeiros e reais. então hoje vou usar outras palavras, belas palavras de uma bela amiga:
INVENTÁRIO
(LeilaEme)
No inventário da minha vida, descubro quão ricos foram os sorrisos que me destes, as luas que olhastes desejando meus melhores passos, as marés que observastes rezando minhas melhores braçadas, na medida certa dos tempos, dos temperos, do suor, dos cansaços.
No inventário da minha vida, sinto ainda tua mão alisando a barriga em que me gerastes, alisando minha bochecha grudada no teu peito, alisando meus cabelos para um rabo-de-cavalo perfeito, alisando as asperezas de cada malfadado ‘não’.
No inventário da minha vida, ouço tua voz embalando meu sono, teus aplausos aos meus acertos, tuas palmadas aos meus erros, teu sussurrar de bênçãos à cada despedida, teu suspiro de ‘segui em paz’ por meus caminhos.
No inventário da minha vida, vejo a dimensão dos teus sorrisos, os sulcos das preocupações em tua testa, as rugas comovidas em teu semblante, o aprendizado singular dos teus gestos, a vontade de que tenhas me ensinado tudo e… bem.
No inventário da minha vida, percebo tuas mágicas adivinhando minhas dores, meus talentos, um jeito encantado de suprir minhas necessidades, em cada um dos meus dias, de minhas idades, das inevitáveis saudades que se tornarão cada vez mais difícieis de matar.
No inventário da minha vida, repasso a tua.
Que, se dependesse de mim, seria mais suave, mais dourada, clara e confortável. Teu amor seria mais amado, teus sonhos todos mais acalentados, tuas mãos muito mais afagadas, qualquer lágrima tua verdadeiramente revertida em um novo sorrir e um sorrir de novo… de novo… de novo.
No inventário da minha vida, quer tenham vencido razões ou emoções, tu fostes o eixo do equilíbrio mais doído que só acontece quando se pesam os corações.
O mais é verbo a conjugar o mundo. Por dentro.
Porque no inventário de qualquer trilha, alcançadas ou não as intenções, sempre haverá uma mãe ou filha, rosário de Deus nas próprias mãos.
feliz dia, mãe! sinta meu abraço apertado cheio de amor, carinho e saudade.
um bom domingo pra todas as mães, pra quem não é mãe e pra quem tem mãe na terra e no céu!

flor4.gif flor6.gif flor4.gif flor6.gif

e eu também sou mãe. quisera ter sido “tão tanto” quanto a minha foi. fui e sou do meu jeito. muitas vezes desajeitada, outras tantas sem jeito. mas tenha uma certeza, filho meu, que meu coração é abarrotado de amor por você.
dois dias depois das mães, é seu dia.
dia que minha vida começou a ter mais vida.
dia que eu comecei a entender melhor o universo
dia que aprendi sobre emoção
dia que senti o maior dos prazeres
até os anjos eu ouvi cantarem
dia que o mundo virou mágica
e como mágica, ai está voce. 21 anos. uau.
queria fazer mágica pra voce ainda caber no colo
mas me basta o calor do teu abraço.
me basta ve-lo, assim, tão belo
tão generoso, tão íntegro, tão honesto
tão gente, tão tudo que eu pudesse desejar
bruno21.jpg
feliz idade! feliz ano novo!
eu te desejo hoje, e todo santo-dia:
saúde de ruma
paz na sua alma
alegria no seu coração
luz pra iluminar seus caminhos.
que se doer, passe logo
que voce sonhe, sonhe muito, nunca pare de sonhar
que voce se aceite, se ame bem muitão pois és belo,
e que se o medo aparecer, não se assuste
faço-o seu aliado e ele te protegerá.
que tenhas fé. muita fé na vida.
que arrange uma namorada, super bacana,
cheia de amor pra lhe dar
que voce seja muito feliz, meu filho!
porque a única coisa que verdadeiramente importa na minha vida, é te ver feliz.
o resto vem de lambuja.
te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo
felizaniversario.gif

corrente literária

a lila me convidou pra participar da “corrente literária”. logo eu, uma vadia alienada? eu nunca fui de ler muito, e depois que tou morando aqui a coisa piorou. muito. leio bastante na internet porque sou uma viciada em computador, mas confesso que leio pouco. mas vamos lá brincar de corrente.

alice.jpg

1. Que livro você gostaria de ser?
–> alice no país das maravilhas (lewis carroll)
2. Já alguma vez ficou apanhado por um personagem de ficção?
–> dorian gray (retrato de dorian gray de oscar wilde)
3. Qual foi o último livro que comprou?
–> a thousand days in venice (marlena de blasi)
4. Qual o último livro que leu?
–>o mesmo acima
5. Que livro você está lendo?
–> o lapidador de diamantes (geshe michael roach)
6. Que livros (5) você levaria para uma ilha deserta?
–> cem anos de solidão (gabrial gracia marquez)
–> as pontes de madison (roberto james waller)
–> I Ching – o livros das mutações (tradução do texto por richard wilhelm)
–> poesias completas de fernando pessoa.
–> pollyana (eleonor h. porter)

parêntese: ninguém me disse se eu ia pra uma ilha deserta por livre e espontânea vontade. também não sei quanto tempo vou ficar por lá. então fiz a escolha acima baseada na minha fantasia de que fui pra lá por decreto e só deus sabe quando volto.
assim sendo: releio cem anos de solidão na esprança que a minha seja mais breve. releio todos os dias as pontes de madison pra não esquecer que o amor é lindo. jogo o I ching diariamente pra lembrar que tudo se resolve. dez poesias por dia pra alimentar a alma com belas palavras e não me sentir a única sofredora no mundo. e por fim, minha querida pollyana na tentativa de ver o lado bom desta experiência. hihihi. tão engraçadinha, né?
(saindo correndo pra não ouvir as vaias nem levar ovo na cara)

mais um relato de fim de semana

sábado: amanheceu chovendo e assim ficou o dia todo. quem adora chuva no fim de semana são os shoppings centers. fui fazer exame de vista e por aqui os “oculistas” trabalham nas óticas. eu era mais uma dentro do shopping.
idade + computador-o-dia-todo = nem vendo! tava cansada de espremer meus olhos pra ler letra miúda, com os óculos. de 1.75 foi pra 2.25. eita. e quando chegar nos 60? lupa :-) e aí eu disse pro doutor meio envergonhada: faz mais de três anos que tou usando esses óculos comprados-prontos. e ele disse: tem problema naum. pode ir na farmácia comprar um com esse grau que tudo bem.
heimmmmm? como assim? e a qualidade da lente não importa? e o tal do eixo, etc? sei naum viu… por via das dúvidas mandei fazer um na ótica (o plano de saúde paga as lentes e uma boa parte da armação) e comprarei um de farmácia de reserva. daqui pra frente vou ver “de um tudo”. de perto. pra ver de longe tira o bicho. já que passo a maior parte do tempo no computador mesmo, não quis saber progressivas. comprei uma correntinha daquelas de veinha e pronto!
domingo: o dia amanheceu cinza mas aos poucos o sol foi criando marra, afastando as nuvens e antes das 10 ele reinava. ficamos em casa pela manhã e à tarde fizemos uma longa caminhada pelas ruas de annapolis. a cidade tava bem animada, cheia de turistas em downtown. e eu só clicando quando via árvores floridas e flores nos jardins.

annapolismay1.jpg

lacrosse.jpg os esportes estão me perseguindo. andando pela academia naval (há tempo que é pra fazer um post sobre isso e nunca fiz… ) tava tendo um jogo de lacrosse. huh? gente, desculpa a ignorância, mas eu mesminha nunca ouvi falar nesse esporte. posso até já ter visto em algum filme e minha memória me trai. sentamos e ficamos vendo um pedaço. me pareceu bem fácil de entender. digamos que uns caçadores de borboletas resolveram caçar bolinha, daí eles (acho que são 11 de cada lado que nem futebol) correm com uma vara que tem uma cestinha na ponta, tentando botar a bola no “gol”. voltei pra casa com mais esse pra minha coleção hehehe

uma boa semana pra nós!